Total de visualizações de página

terça-feira, 24 de maio de 2011

O BOTAFOGO NO CAMPEONATO CARIOCA DE 1921: Súmulas


BOTAFOGO 1 x 3 BANGU
Data: 17/04/1921
Local: Rua Ferrer, Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Paulo de Magalhães
Gols: Petiot / Nonô, Claudionor e Pastor;
BOTAFOGO: Oliveira, Palamone e Nestor; Coló, Mário Braga e Alfredinho; Leite de Castro, Riva, Vadinho, Petiot e Elviro.
BANGU: Mattos, Luiz Antônio e Leitão; Coquinho, Joppert e Waldemiro; Frederico, Pastor, Claudionor, Nonô e Antenor.

BOTAFOGO 3 x 1 SÃO CRISTÓVÃO
Data: 24/04/1921
Local: General Severiano, Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Arthur Antunes de Moraes e Castro "Laís"
Gols: Petiot, Elviro e Leite de Castro / Bahiano
BOTAFOGO: Haroldo, Palamone e Alemão; Police, Alfredinho e Coló; Leite de Castro, Riva, Vadinho, Petiot e Elviro.
SÃO CRISTÓVÃO: Carnaval, Ary e Martins; Luiz Vinhaes, Epaminondas e Olivier; Arthur Lopes, Raul, Nicanor Rosa “Bahiano”, Arthur Santos “Bahianinho” e Dornelles.

BOTAFOGO 2 x 2 AMÉRICA
Data: 08/05/1921
Local: Campos Sales, Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Máximo Martinelli
Gols: Petiot (2) / Chico e Gilberto
BOTAFOGO: Haroldo, Palamone e Alemão; Police, Alfredinho e Coló; Leite de Castro, Riva, Vadinho, Petiot e Elviro.
AMÉRICA: Baron, Perez e Barata; Hugo, Miranda e Avellar; Barroso, Gilberto, Chico, Muniz e Ciro.

BOTAFOGO 5 x 0 ANDARAHY
Data: 15/05/1921
Local: General Severiano, Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Arthur Antunes de Moraes e Castro "Laís"
Gols: Petiot (2), Riva, Vadinho e Luiz Menezes
Obs.: Por falta de luz, o jogo foi suspenso faltando 35 minutos para o final. O Botafogo vencia por 3 x 0. Os trinta e cinco minutos restantes foram disputados no dia 17 de julho de 1921, no campo da Rua Paysandu e tendo como árbitro Virgílio Fedrighi. Aconteceram várias substituições, registradas com os nomes dos jogadores entre parênteses.
BOTAFOGO: Haroldo, Palamone e Alemão (Sylla); Police, Alfredinho e Coló; Leite de Castro, Riva, Vadinho, Petiot (Luiz Menezes) e Elviro.
ANDARAHY: Otto, Oscar (Americano) e Caratori; Sebastião (Nicolino), Bráulio e Coutinho; João, Cropper (Eneas), Gilabert, Telê (Waldemar) e Betinho.

BOTAFOGO 1 x 1 FLUMINENSE
Data: 22/05/1921
Local: Rua Guanabara, Laranjeiras, Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Robert Lindsay Todd
Gols: Riva / Fortes
BOTAFOGO: Haroldo, Palamone e Alemão; Coló, Alfredinho e Police; Leite de Castro, Riva, Vadinho, Petiot e Elviro.
FLUMINENSE: Gerdal, Moreira e Motta Maia; Bordalo, Nascimento e Fortes; Paulo Vianna, Coelho, Welfare, Machado e Bacchi.

BOTAFOGO 2 x 2 FLAMENGO
Data: 05/06/1921
Local: General Severiano, Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Altamiro Mourão dos Santos
Gols: Petiot e Riva / Junqueira e Japonês
BOTAFOGO: Haroldo, Palamone e Monti; Police, Alfredinho e Franco; Leite de Castro, Riva, Vadinho, Petiot e Sousa.
FLAMENGO: Kuntz, Burgos e Telefone; Rodrigo, Sidney Pullen e Dino; Galvão Bueno, Candiota, Nonô, Junqueira e Japonês.

BOTAFOGO 4 x 0 BANGU
Data: 03/07/1921
Local: General Severiano, Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Robert Lindsay Todd 
Gols: Riva (3) e Leite de Castro 
BOTAFOGO: Haroldo, Couto e Palamone; Police, Alfredinho e Coló; Leite de Castro, Riva, Vadinho, Petiot e Elviro.
BANGU: Mattos, Luiz Antônio e Leitão; Oswaldo, Joppert e Waldemiro; Agenor, Pastor, Claudiomiro, Nonô e Antenor.

BOTAFOGO 1 x 0 FLUMINENSE
Data: 24/07/1921
Local: General Severiano, Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Robert Lindsay Todd 
Gol: Petiot 
Expulsão: Welfare.
BOTAFOGO: Haroldo, Palamone e Sylla; Police, Alfredinho e Coló; Leite de Castro, Riva, Vadinho, Petiot e Elviro.
FLUMINENSE: Marcos de Mendonça, Vidal e Chico Netto; Mutzembecker, Honório e Fortes; Paulo Vianna, Julinho, Welfare, Machado e Bacchi.

BOTAFOGO 0 x 1 ANDARAHY
Data: 07/08/1921
Local: Rua Prefeito Serzedelo Corrêa, Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Ferreira Vianna Netto
Gol:  Gilabert
Obs.: Jogo suspenso faltando 12 minutos para o final. Os jogadores Elviro, do Botafogo, e Otto, do Andarahy, atracaram-se em luta corporal, o que provocou a invasão de campo. A sua conclusão seria em 4 de setembro de 1921, mas o Botafogo enviou ofício para a Liga, desistindo dos minutos finais. A Liga manteve o resultado: Andarahy 1 x 0.
BOTAFOGO: Haroldo, Palamone e Alemão; Police, Alfredinho e Coló; Leite de Castro, Riva, Vadinho, Petiot e Elviro.
ANDARAHY: Otto, Caratore e Americano; Nicolino, Bráulio e Coutinho; João, Russo, Gilabert, Waldemar e Machado.

BOTAFOGO 0 x 1 AMÉRICA
Data: 14/08/1921
Local: General Severiano, Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Robert Lindsay Todd 
Gol:  Chico
BOTAFOGO: Haroldo, Palamone e Alemão; Police, Alfredinho e Coló; Leite de Castro, Riva, Vadinho, Petiot e Elviro.
AMÉRICA: Tomich, Perez e Barata; Miranda, Oswaldinho e Avellar; Barroso, Gilberto, Chico, Muniz e Ribeiro.

BOTAFOGO 1 x 3 FLAMENGO
Data: 21/08/1921
Local: Rua Paysandu, Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Pedro Santos
Gols: Leite de Castro / Candiota (2) e Junqueira
BOTAFOGO: Haroldo, Palamone e Alemão; Police, Alfredinho e Coló; Leite de Castro, Nilo, Vadinho, Petiot e Elviro.
FLAMENGO: Kuntz, Santiago e Telefone; Rodrigo, João Candiota e Dino; Galvão Bueno, Candiota, Nonô, Junqueira e Orlando.

BOTAFOGO 1 x 3 SÃO CRISTÓVÃO
Data: 28/08/1921
Local: Figueira de Melo, Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Máximo Martinelli
Gols: Nilo / Rubens (2) e Nesi
BOTAFOGO: Haroldo, Palamone e Alemão; Braune, Alfredinho e Coló; Leite de Castro, Nilo, Vadinho, Arlindo e Neco.
SÃO CRISTÓVÃO: Carnaval, De Maria e Armando; Nesi, Epaminondas e Martins; Rubens, Raul, Léo Pinto, Salema e Bahianinho.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

CURIOSIDADES ALVINEGRAS (3): A TRAGÉDIA DE DINORAH DE ASSIS



No dia 30 de maio de 1909, Dinorah de Assis foi autor de um gol na formidável goleada do Botafogo sobre o Mangueira, por 24 x 0. Duas semanas depois, o zagueiro alvinegro tomou parte do que foi denominado “A Tragédia da Piedade”.
Domingo, 15 de agosto de 1909. Na casa de número 214, na Estrada Real de Santa Cruz, na Piedade, no Rio de Janeiro, entra um homem agitado e nervoso. Era o grande escritor Euclides da Cunha, o autor de “Os Sertões”.
Bate palmas, é recebido pelo jovem Dinorah de Assis, a quem manifesta o propósito de avistar o dono da casa, Dilermando de Assis, irmão de Dinorah e aspirante do Exército.
Dilermando era amante de Ana de Assis, mulher do escritor. Vai logo entrando na sala de visitas. Aí, saca de um revólver e diz: “vim para matar ou morrer!”. Entra no interior da casa e atira duas vezes em Dilermando que, atingido, cai.
Dinorah, vendo o irmão ferido, tenta arrebatar a arma de Euclides. Ouvem-se mais dois disparos. Outro tiro e Dinorah é atingido na coluna vertebral, junto à nuca.
Dilermando, embora ferido, consegue apanhar o revólver, atira duas vezes sem atingir Euclides. Euclides aperta o gatilho de novo e recebe um tiro de Dilermando que lhe fere o pulso. Duelo de vida e morte. Tiros de ambos os lados e um projétil atinge o pulmão direito de Euclides, que cai morto ao solo.
Com a bala alojada no corpo, Dinorah continuou a jogar e foi campeão carioca pelo Botafogo em 1910. Mas perdeu os movimentos gradativamente, advindo-lhe uma desorganização cerebral e uma hemiplegia irreparáveis (ficou paraplégico). A situação levou-o a atos de desespero, chegando a ser ingressado no manicômio até que da última vez, não se sabe se num gesto de renúncia, em 1921, ele cometeu suicídio, atirando-se nas águas do Rio Guaíba, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Dinorah tinha 31 anos.